Nem todos os presuntos ibéricos são iguais – Somos o que comemos

A nossa empresa familiar está a 100 anos elaborando produtos ibéricos em Guijuelo, com uns princípios fundamentais: uma elaboração artesanal com a melhor matéria prima e ingredientes 100% naturais.

Nos preocupamos pela saúde dos nossos consumidores e por isso, o nosso departamento de I+D da nutrição desempenha um papel essencial, apesar de que a convicção familiar era que os nossos produtos, além de ter um aroma, sabor e textura únicos, eram mais saudáveis para os seus consumidores. Como saber ao certo?

 

Ciência e gastronomia aliados

O nosso caminho cruzou-se com o do Conselho Superior de Investigações Científicas, graças ao comitê de Ciência e Gastronomia de FACYRE.

Pela primeira vez decidimos pôr todos os nossos conhecimentos e experiência na elaboração de ibéricos sob a lupa da ciência.  O nosso objetivo primordial era comprovar se nosso método de elaboração, aperfeiçoado ao longo de 4 gerações, possuía benefícios sobre as propriedades saudáveis do produto final.

 

O presunto ibérico com dupla montanheira, um prazer antioxidante

Um estudo do CSIC-CIAL demonstra que o presunto ibérico possui mais propriedades antioxidantes quando provém de porcos alimentados durante duas montanheiras.

O estudo, no qual o Arturo Sánchez participou, mostra que as propriedades antioxidantes podem trazer benefícios para a saúde do consumidor.

A realidade está em que a maioria de estudos prévios foram centrados principalmente em analisar as vantagens de sua matéria gorda. Porém, e apesar de que a parte gorda deste alimento supõe unicamente um 20-25% do total, quase não foram investigadas as propriedades biológicas dos 70-75% restantes de cada perna de presunto ibérico.

«No caso do presunto, os estudos publicados ainda são escassos, especialmente os que investigam as propriedades do presunto de bolota 100% ibérico. Por essa razão, decidimos centrar o nosso trabalho em analisar os processos de proteólises que ocorrem durante a cura do presunto ibérico, e avaliar como afeta este processo ao desenvolvimento de aromas e sabores, e especialmente na formação de peptídeos com atividade biológica benéficas para a saúde» explica a Dra. Marta Miguel, investigadora do CSIC no Instituto de Investigação em Ciências da Alimentação (CSIC-Universidade Autônoma de Madrid).

 

O processo: a laboriosa tarefa de recolher e processar todas as amostras

O estudo foi realizado comparando as amostras de três grupos de animais:

  1. Um grupo de porcos ibéricos que não receberam alimentação com bolota.
  2. Um grupo de porcos ibéricos que desfrutaram uma montanheira, ou seja, que comeram uma temporada de bolota, e
  3. Um grupo de porcos ibéricos que comeram bolotas durante duas temporadas, ou seja, desfrutaram dupla montanheira.

Foram coletadas amostras de plasma e de carne dos vários grupos em diferentes momentos da elaboração do presunto e avaliou-se a capacidade antioxidante de todas as amostras.

 

Os Peptídeos. O que são?

Os peptídeos são cadeias curtas de aminoácidos unidos entre si por ligações peptídicas, que são formadas entre o grupo amino de um aminoácido e o extremo carboxílico de outro aminoácido.
Esses fragmentos costumam originar-se a partir de uma proteína, uma cadeia de aminoácidos muito maior, através de uma reação bioquímica na qual é produzida a fragmentação ou hidrólises da proteína em fragmentos menores (peptídeos) por meio da ação de uma enzima.

Além dos seus benefícios nutricionais, pode oferecer outras atividades biológicas favoráveis para a nossa saúde, como a antioxidante. «No caso do presunto, esta proteólise é produzida de forma natural durante o processo de cura», completa a investigadora.

 

Os Resultados de 18 meses de investigação

  1. A capacidade antioxidante do presunto ibérico aumenta durante o processo de cura do presunto.
  2. A capacidade antioxidante do presunto do porco que não tinha comida bolota é similar à do presunto de porco que havia consumido bolota durante uma montanheira.
  3. Finalmente, o mais surpreendente foi que o presunto ibérico dos porcos que tinham sido alimentados durante duas temporadas com bolota mostrou quase o dobro de capacidade antioxidanteem relação ao grupo que não consumia bolota ou que consumia bolota somente durante uma montanheira.

 

Conclusões e próximos passos. Este é somente o princípio

Os fatores fundamentais na elaboração exclusiva dos ibéricos em Arturo Sánchez são, em primeiro lugar, conseguir a melhor matéria prima, deixando que seus porcos 100% ibéricos cresçam em liberdade em grandes montados até os 24 meses, alimentados de bolotas e ervas durante duas montanheiras.

O segundo fator fundamental é o processo de cura. Em Arturo Sánchez utilizam um método artesanal de elaboração peça por peça, com um ponto mínimo de sal e curas em secadores e bodegas naturais durante longos períodos de tempo.

A evidência científica confirma agora que as duas montanheiras oferecem aos nossos produtos, além de um sabor excepcional e único, umas propriedades benéficas para a saúde de seus consumidores.

Estudio jamón de bellota

No Comments Yet

Comments are closed

NEWSLETTER

Recetas, novedades del sector, convocatorias, aperturas, novedades, nutrición, innovación en alimentación, productores amigos… el mundo del ibérico y mucho más en una sola newsletter.

[mc4wp_form id=”699″]

×